sexta-feira, 29 de abril de 2011

Chamava-se Tony

Quando andava no 11º ano havia este rapaz de quem eu gostava, mas gostava do tipo gostar mesmo. O rapaz nunca me deu mais do que um “Olá. Tudo bem?” mas até aquela altura era dos rapazes mais perfeitos que conhecia, o tipo de filho prestável e certinho que toda a mãe quer, o amigo sempre bem-disposto e pronto a ajudar e imagino que também que fosse um aluno muito bem comportado e trabalhador. E eu, no alto dos meus 15 anos, estava perdidamente apaixonada, pois sempre fui do tipo de pessoa dramática que quando se apaixona sente-se uma Julieta a viver um amor único na vida com a certeza de que nunca mais sentirá algo assim. Contudo, apesar desse amor todo nunca tive muitas esperanças, por várias razões mas sobretudo porque ele já tinha namorada, embora fosse uma coisa muito recente, mas isso não impediu que estivesse interessada no rapaz durante muitooooooo tempo. Eventualmente segui em frente e felizmente sem grandes danos emocionais. Até hoje! E tudo por culpa das Páginas Amarelas.

Não sei como funciona mas ao que parece a Páginas Amarelas está a oferecer o “Casamento do Ano”, já tinha visto algumas manifestações no Facebook mas não liguei muito a isso, pelo menos até descobrir que esse tal rapaz e a namorada (que ainda é a mesma) também estão a concorrer!!!!!

Inicialmente achei que era uma piada, mas lá tive de enfrentar a triste realidade de que afinal é mesmo verdade e que eles querem mesmo casar. Desde esse momento que estou numa espécie de estado de couve profundo em que a capacidade de raciocinar é muito baixa. Não tenho ciúmes nem inveja ou algo que se pareça, pelo contrário fico feliz porque sei que ele não seria pessoa para tomar uma decisão assim de ânimo leve. Já não tenho 15 anos e até foi algo que consegui ultrapassar muito bem, sem corações partidos nem orgulhos feridos. No entanto, estaria a mentir se dissesse que esta notícia não mexeu comigo, não sei muito bem até que ponto, mas lá que provocou aqui um valente abanão provocou. Penso que seja por várias razões, primeiro eles são muitoooo novos, e novos do tipo ele ter acabado de fazer 21 anos. Outro motivo passa por as maiores recordações que tenho dele serem ainda do secundário e portanto para mim ele ainda é aquela “criança” por quem me apaixonara, e vê-lo a querer casar é ter de admitir que já passou bastante tempo e que já crescemos muito. É algo que me está a fazer confusão, e traumatiza-me um pouco até. Mas não deixo de lhes desejar coisas bonitas, como é óbvio.

3 comentários:

B. disse...

é daquelas noticias que nos fazem mesmo ver que já crescemos, que já não estamos no secundário. apesar de só estarmos nos 20's já há muitos colegas nossos dessa época que já estão a constituir uma vida...é uma realidade dura de aceitar, talvez porque também nunca aceitamos que já não somos aqueles miudos

susana disse...

Que é chato, é - e surreal também, porque nunca pensamos que seja possível. E também nunca deixei de ver o meu primeiro amor como uma criança, nunca vai crescer aos meus olhos...

S' disse...

tenho uma coisa para ti no meu blog, aceitas se quiseres, o que conta é a intenção (: